Consumidoras não têm de aceitar ‘imposto rosa’

Membros, Noticias

A desigualdade entre homens e mulheres, com nítida desvantagem feminina, não ocorre somente nos salários, no assédio no transporte coletivo e na violência generalizada. Também está nos preços cobrados para produtos e serviços supostamente ‘femininos’, que na verdade são versões de itens ‘masculinos’ embalados com cores suaves, perfume e nomes engraçadinhos. Para derrotar o ‘pink tax’ (imposto rosa), espécie de custo mulher, as consumidoras não podem aceitar esta discriminação comercial.

Há três anos, esta ‘Folha’ publicou interessante matéria sobre esta prática comercial. As explicações, à época, iam da escala de vendas às especificidades para atender às compradoras.

O tempo passou e as diferenças de preços continuam existindo. E não há argumentos para isso, pois os homens passaram a cuidar muito mais da aparência, algo evidente, por exemplo, pela multiplicação das barbearias com produtos próprios. Por que, então, cortes de cabelo comprido de ambos têm preços tão díspares?

Como vencer este preconceito comercial? Não aceitando abusos: abra mão de uma lâmina de depilar mais bonitinha com preço superior a uma de barbear. Também não compre sabonetes, xampus e outros artigos aparentemente voltados para consumo feminino se forem mais caros do que similares para homens.

É bom lembrar que também na prestação de serviços há preços diferenciados (a mais) para as mulheres. Só pague mais se tiver certeza de que a qualidade adicional compensará o desembolso de mais dinheiro.

Outra boa forma de não ser lesada é ter mais conhecimentos sobre produtos como automóveis, celulares e computadores. Leia as embalagens, os manuais de instruções e consulte fóruns de clientes antes de contratar serviços e fazer compras.

Os três poderes – Legislativo, Executivo e Judiciário – têm a obrigação de trabalhar mais pela igualdade de todos, independentemente de gênero, crença, raça, escolhas políticas etc. Mas também temos de brigar por nossos direitos.

Maria Inês Dolci

In Folha de São Paulo 

Deixe uma resposta