Juntos por uma alimentação mais segura e equilibrada

dossiês especiais, Noticias, Sessões informativas, Vídeos

O webinar organizado pela CONSUMARE, ontem, dia 20 de outubro, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Alimentação, reuniu cerca de 3 dezenas de participantes oriundos de 4 continentes: África, América do Sul, Ásia e Europa. A defesa dos direitos dos consumidores que falam português uniu o discurso de todos os oradores e intervenientes. A certeza de que precisamos desenvolver uma campanha global sobre alimentação mais segura e equilibrada, acessível e sustentável foi uma das grandes conclusões deste “À Conversa”.

Cumprir as metas da Agenda 2030, nomeadamente o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 2 – Erradicar a fome, obriga a que todos, governos, autoridades, movimentos, cidadãos, sejam envolvidos e ouvidos. O lema “não deixar ninguém para trás” foi tema deste ano da efeméride da alimentação. E não poderia ser adequado à crise económica, social e até humana que todos enfrentamos.

A crise, consequência clara e direta do conflito armado entre a Rússia e a Ucrânia e dos 2 anos de pandemia, foi, precisamente, o ponto comum entre as intervenções dos principais oradores deste evento. António Ramos, presidente da TANE Konsumidor, associação de defesa do consumidor de Timor-Leste, traçou com grande conhecimento a difícil situação económica vivida pelas famílias timorenses que, sem subida de rendimentos, enfrentam o grande aumento dos preços de bens alimentares, combustíveis e energia. Paralelamente, o mercado de Timor ainda não cumpre as regras de fiscalização de segurança e higiene alimentar, colocando-se, assim, a proteção da saúde e segurança dos consumidores em causa. Apresentou-nos as diversas iniciativas e campanhas coordenadas e executadas pela equipa da TANE nesta área, particularmente em termos de formação, informação e educação do consumidor, tanto na escola, como na comunidade em geral.

Alexandre Bacião, director-geral da ProConsumers, associação de defesa do consumidor de Moçambique, elencou e destacou o enquadramento legal da alimentação no nosso país, sobretudo no que respeita à manipulação, comercialização e segurança alimentar. O papel e as participações da equipa da ProConsumers em ações públicas, campanhas, programas de rádio e televisão e encontros formativos, em todo o território moçambicano, têm sido muito intensas, promovendo sempre mudanças de comportamento de consumo nos cidadãos e alertando para as questões sanitárias e de saúde pública.

A moderadora do webinar, e membro do Conselho de Especialistas da nossa Organização, Marilene Mariottoni, abriu o espaço de perguntas e debate. Jorge Morgado e António Pedro Silva, ambos fundadores da CONSUMARE e membros do referido Conselho de Especialistas, enriqueceram o momento com relatos de trabalhos desenvolvidos tanto pela DECO, Portugal, como pela ADECO, Cabo Verde. António Pedro Silva sugeriu, ainda, a realização de trabalhos conjuntos, como sejam testes, a pão, alimento base da dieta alimentar de todos os consumidores.

O “À Conversa” terminou com um breve resumo das metas do mencionando ODS 2, a visualização de um vídeo sobre desperdiço alimentar produzido pela DECO, associação de defesa do consumidor de Portugal e a apresentação das principais conclusões e reivindicações deste animado debate digital:

  • Estabelecer e publicar Codex Alimentarius
  • Efectivar a fiscalização na área da Higiene e Segurança Alimentar
  • Implementar Boas Práticas Comerciais para a Cadeia de Abastecimento Agroalimentar
  • Cumprir Planos Nacionais de Qualidade – metrologia e afixação de preço de venda ao consumidor
  • Formar e educar sobre dieta equilibrada e saudável
  • Formar e educar sobre desperdício alimentar
  • Rotular os produtos na língua materna
  • Incluir (obrigatoriamente) no rótulo a composição nutricional

A CONSUMARE propõe-se acompanhar o tema da alimentação, informando e apoiando os consumidores através da execução de campanha global sobre alimentação mais segura e equilibrada.

Deixe uma resposta